no1
30/07/2020
Prefeito de Chapecó-SC diz que “aglomeração é um deboche para as pessoas que estão na linha de frente”

Durante coletiva de imprensa, na manhã desta quarta-feira (29), o prefeito, Luciano Buligon, destacou que Chapecó vive o pior momento, no que se refere a pandemia. O gestor municipal acrescentou que “aglomeração é um deboche para as pessoas que estão na linha de frente” de combate a doença.

 

 

 

O município registrou 17 mortes em decorrência do coronavírus e já teve 4.189 diagnósticos positivos, dos quais 3.513 pacientes são considerados recuperados. Há ainda mil pessoas que aguardam resultado de exames.

Aglomeração é um deboche para as pessoas que estão na linha de frente. É um deboche para aquela mãe que deixa os filhos, usa uma máscara que marca seu rosto e que esta lá todos os dias dentro de uma UTI tentando salvar vidas de pessoas que, de uma forma ou de outra, foram infectadas, sim, por outras pessoas. Usar de festas, de aglomerações, áudios – dos quais tivemos oportunidade de tomar conhecimento e que a polícia detêm – é um deboche, é um tapa na cara daqueles que estão fazendo o certo”, avaliou o prefeito.

Na fala, o prefeito destacou que as medidas são tomadas em conjunto com uma equipe técnica.

Nossa lógica, é que estamos fechando a torneira na medida em que há um descumprimento por parte das pessoas. Então, não esperem que essa torneira será fechada, assim, rapidamente. Ela vai ser fechada, gradativamente, na medida em que haja o descumprimento das medidas de distanciamento, de uso de máscaras, de aglomerações“, exemplificou.

Prefeito fala em expor quem não cumpre medidas

Durante a coletiva, o prefeito chegou a comentar que irá expor o primeiro que descumprir as medidas adotadas no município. Também destacou que um projeto, para aumentar o valor das multas por descumprimento, será encaminhado à Câmara de Vereadores para aprovação.

Assumi um compromisso ontem, que também assumo hoje aqui publicamente. O primeiro que descumprir (medidas), eu vou dizer quem é a pessoa. Vou dar o nome, sim. Porque, em um estado de guerra que estamos, que vivemos, os direitos individuais, não estão superiores aos direitos coletivos. Não é com deboche, com descumprimento, que nós vamos vencer, é com disciplina, multa e obrigatoriedade”, finalizou.

Créditos: ClicRDC-(Foto: PM/Divulgação)

Compartilhe com seus amigos!

Veja as últimas notícias abaixo

PUBLICIDADE
no2
no9