no1
18/11/2020
Campus Realeza tem projeto de eficiência energética no valor de R$ 2,1 milhões selecionado pela COPEL
Pensando em ações de sustentabilidade e eficiência energética, a Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Realeza irá instalar uma usina fotovoltaica, além de substituir o sistema atual de iluminação.
 
 
 
 
 
A implantação do sistema será possível porque a instituição foi selecionada na Chamada Pública 002/2019 da Companhia Paranaense de Energia (COPEL), com regras e recursos provenientes do Programa de Eficiência Energética (PEE) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Ao ter o projeto selecionado, o Campus Realeza receberá um recurso de aproximadamente R$ 1,8 milhão para a melhoria da instalação e gestão energética. Em contrapartida, a instituição também depositará um valor de cerca de R$ 250 mil. O projeto totaliza um investimento de R$ 2,1 milhões. O acordo de cooperação técnica entre a UFFS e a COPEL deverá ser assinado nos próximos 30 dias, dele também irá participar uma fundação de apoio contratada para realizar a gestão dos recursos.
 
Para o coordenador do projeto, André Luiz Zabott, a proposta demonstra a preocupação do Campus Realeza em otimizar o rendimento energético, investindo em ações de modernização do sistema elétrico na própria Instituição e na geração de energia limpa e sustentável através da captação da energia solar. "Esta é uma preocupação de toda a equipe do projeto, que acompanhou os gastos da Instituição em energia elétrica mensalmente. Investir na geração de energia mais limpa é um caminho muito importante a se tomar dentro das instituições públicas", ressaltou.

Para além da sustentabilidade, as mudanças também impactam positivamente na redução do consumo de energia da Instituição, combatendo o desperdício de recursos, além de possibilitar novos investimentos em outras áreas. "Os valores economizados com o pagamento da conta de energia podem ser investidos na manutenção da estrutura do Campus Realeza, compra de materiais, bolsas de estudos, entre outras possibilidades", aponta a coordenadora administrativa do Campus e integrante do projeto, Edinéia Paula Sartori Schmitz.

A proposta selecionada foi desenvolvida por um grupo de servidores que atuam na Coordenação Adjunta de Laboratórios, Coordenação Administrativa e Assessoria de Infraestrutura e Gestão Ambiental do Campus Realeza, além de um docente do curso de Física. Também há o envolvimento de pesquisadores da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

O Projeto

A usina será criada a partir da instalação de um conjunto de 969 módulos geradores de energia solar fotovoltaica, cinco inversores de 60kW de potência e um inversor de 50 kW. As placas, que totalizam 348,84 kWp de potência, serão instaladas no solo numa área de 4.800 m², próximo ao Hospital Veterinário Universitário do Campus Realeza. Estima-se, de acordo com simulações, que a produção de energia pelo sistema resulte em 457,085 MWh por ano.

Outra iniciativa importante do projeto está na substituição do sistema de iluminação, com instalação de lâmpadas mais eficientes de tecnologia LED. O estudo de prospecção identificou que a iluminação – a partir de lâmpadas de vapor metálico e fluorescentes – corresponde a praticamente metade do consumo de energia elétrica do Campus Realeza. O projeto prevê a substituição de 6.237 lâmpadas, instaladas em salas de aula, espaços laboratoriais, de convivência, área externas, entre outros locais.
 
Todas as mudanças impactarão significativamente o consumo de energia elétrica no Campus Realeza que, com a produção da usina na ordem de 457,085 MWh, diminuirá o consumo anual em aproximadamente 60%. Ainda soma-se a isso a economia gerada pela atualização do sistema de iluminação.

De acordo com a coordenadora administrativa do Campus Realeza, Edinéia Paula Sartori Schmitz, após a assinatura do acordo, inicia-se o processo de contratação de uma empresa de serviço de energia (ESCO) que dará o suporte técnico no decorrer de todo o projeto. "Na sequência, serão contratas as demais ações, como empresa de medição e verificação, a compra de novas lâmpadas e serviço de troca e descarte de lâmpadas usadas. Após essa primeira fase, poderá ser licitada a usina fotovoltaica, que deverá ser instalada no prazo contratual de 18 meses", detalhou.

O projeto prevê ainda ações de marketing, além de treinamento e consultoria em ISO 50.001, norma que permite que as organizações estabeleçam os sistemas e processos necessários para melhorar o desempenho energético, incluindo a eficiência energética, uso e consumo.

Programa de Eficiência Energética (PEE)

Executado anualmente, o PEE da COPEL tem como objetivo aplicar recursos financeiros em projetos que promovam a eficiência energética e o combate ao desperdício de energia elétrica. Os projetos são selecionados por meio de chamadas públicas, sendo a UFFS – Campus Realeza uma das entidades selecionadas na Chamada Pública PEE COPEL 002/2019, lançada em novembro de 2019. O total de recursos destinados aos projetos selecionados é de mais de R$ 154 milhões.

O PEE também visa atender uma obrigação regulatória estabelecida pela ANEEL, que prevê a destinação de 0,4% da receita líquida anual da empresa em projetos de redução do desperdício de energia.
 

Créditos: Assessoria de Comunicação | UFFS - Campus Realeza - (Foto: Reprodução)

Compartilhe com seus amigos!

Veja as últimas notícias abaixo

PUBLICIDADE
no2
no9